xczvxzcv

As Escolas Estaduais de Educação Profissional, implantadas no Ceará em 2008, trouxeram uma mudança significativa no modelo educacional voltado à formação técnica. Para acompanhar esse desenvolvimento, a Coordenadoria de Educação Profissional (COEDP) tem investido em ferramentas de comunicação capazes de oferecer à sociedade e à comunidade diretamente envolvida no projeto informações acerca dessa ampla rede de escolas de educação profissional do estado. Alguns documentos foram elaborados com a finalidade de registrar toda a evolução do projeto no Ceará, seja com informações estatísticas ou por meio de um relatório de gestão.

Dentre os projetos destaca-se a elaboração deste site para divulgar o processo de concepção e construção das escolas e a sua estrutura de funcionamento atual. Aqui no site é possível acessar dados sobre a estrutura das Escolas Estaduais de Educação Profissional, evolução, cursos ofertados, estágios, indicadores, legislação, publicações, ferramentas interativas, agenda, notícias atualizadas, dentre outras.

O site também tem como uma das suas características oferecer serviços aos usuários, como um mapa interativo onde é possível identificar as escolas por municípios, com seus respectivos cursos. Há também um catálogo com as características gerais de cada curso, como matriz curricular, carga horária e aptidões adquiridas.

O site das Escolas Estaduais de Educação Profissional dá maior credibilidade ao trabalho desenvolvido pela Secretaria de Educação do Estado, por meio da COEDP, ao tornar públicas as informações referentes ao projeto. O site também vem coroar um compromisso assumido pelo governo do estado de prestar contas à sociedade sobre as ações e investimentos de caráter público.

Outra importante característica do site é facilitar o acesso das informações aos estudantes que estejam interessados em fazer parte desse projeto, agregando à sua formação regular habilidades técnicas para ingressar no mercado de trabalho. A democratização da informação é uma ferramenta de cidadania.

A política de estágio das escolas cearenses é inédita entre as redes de educação profissional. O governo do Ceará, reconhecendo a sua importância para a formação técnica dos alunos, assumiu o compromisso de tornar o estágio curricular remunerado.  Todos os custos que envolvem esse processo são financiados pelo governo estadual, não havendo ônus para as empresas e instituições concedentes de estágios.

Os alunos iniciam o estágio curricular no terceiro ano do curso.  A carga horária total é de 600 horas para os cursos do eixo Saúde e 400 horas para os cursos dos demais eixos. A idade mínima para iniciar o estágio é 16 anos, conforme estabelece a Lei Federal 11.788.

O estágio deve ser supervisionado por um profissional responsável pelo acompanhamento técnico-pedagógico, que avalia e orienta os estudantes.  O monitoramento de todo o processo de concessão de estágio é feita pelo Sistema Informatizado de Captação e Estágios – SICE.

Em 2014, 49 cursos técnicos ofertavam estágio curricular supervisionado a 12.195 alunos. Estão envolvidas no processo de concessão de estágio, 92 escolas estaduais de educação profissional, distribuídas em 74 municípios cearenses.

O Estado do Ceará tem se destacado no cenário nacional pela grande capacidade de desenvolvimento e ampliação da política de educação profissional integrada ao Ensino Médio. Em seis anos, o número de escolas saltou de 25 para 113 e a oferta de cursos técnicos foi ampliada de 4 para 53, nas mais variadas áreas de atuação. Hoje, 82 municípios cearenses têm escolas de educação profissional.

Para o desenvolvimento da política de Educação Profissional no Estado, a Secretaria da Educação (SEDUC) conta com o apoio do Governo Federal, através do Programa Brasil Profissionalizado. Somados os investimentos dos governos federal e estadual, já foram aplicados mais de 900 milhões de reais na implantação e desenvolvimento das Escolas Estaduais de Educação Profissional (EEEPs) no Ceará.

A maioria das escolas do Ceará foram construídas segundo o padrão MEC, com 5,5 mil metros quadrados de estrutura, 12 salas de aulas, auditório, biblioteca, ginásio esportivo, teatro  e bloco pedagógico administrativo. Os profissionais são contratados por meio de processo seletivo público.

O projeto de educação profissional do Estado é mais uma iniciativa que visa ampliar a política de inclusão social. Por esse motivo, 80% das vagas são destinadas a estudantes egressos das escolas públicas, enquanto os 20% restantes se destinam a estudantes de escolas privadas.